Amigos do Mundo, inimigos de Deus



Gente infiel! Será que vocês não sabem que ser amigo do mundo é ser inimigo de Deus? Quem quiser ser amigo do mundo se torna inimigo de Deus.” (Tiago 4:4 - NTLH)
 





E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus”. (Romanos 12:2)


No texto acima Paulo insta com os membros da Igreja em Roma a não se “conformarem” com este século. No grego, foi utilizado o termo “aiwn” (aion) para designar “século”, o qual poderia também ser traduzido por “mundo” ou “geração”. Já o termo original traduzido por “conformeis” é o verbo grego “suschmatizw” (suschematizo), que quer dizer: “conformar-se (mente e caráter de alguém) ao padrão de outro (moldar-se de acordo com)”. Ou seja, Paulo pediu aos Cristãos de Roma que não se moldassem ao padrão mundando da época, ou não adquirissem a mente e o caráter das pessoas da época.

Infelizmente, muitos irmãos e Igrejas inteiras, no afã ou a pretexto de se “ganhar almas” têm se tornado cada vez mais “conformada”, no sentido pleno do original grego, ou seja, tem adquirido a “mente e o caráter das pessoas do mundo”, estão se “conformando” ao padrão do presente século. Que lástima! Pois, o próprio Jesus afirmou que deveríamos ser “Sal” e “Luz” (Mateus 5:13).

O sal era utilizado na época de Jesus para temperar comida e salpicar os sacrifícios. Além disto, o sal era, e ainda é, um símbolo de acordo durável, porque protege os alimentos da putrefação e preserva-os sem alteração. Consequentemente, na confirmação solene de pactos, os orientais estavam, e estão até os dias de hoje, acostumados a compartilhar do sal juntos. Mas, no texto destacado, Jesus afirma: “ora, se o sal vier a ser insípido, como lhe restaurar o sabor?”. Ou seja, Jesus está perguntando: “Se o sal perdeu sua capacidade de temperar e sua representatividade nos pactos, para que mais servirá?” Se o cristão, e a Igreja, perder sua capacidade de impactar e transformar as pessoas, para que mais ela serve? Servirá como “clube social”, “local de encontros” e “ajuntamentos”!?

 Quando o povo de Israel, liderados por Moisés, estava prestes a apossar-se das terras que o SENHOR lhes prometera, Moisés, com toda certeza inspirado pelo Espírito Santo, passou a advertir todo povo sobre diversas condutas. Mas, se você não prestar atenção nas recomendações dadas por Moisés algo pode passar despercebido e, muitos cristãos, sequer já meditaram sobre isso. Em Êxodo 12:29-30a, Moisés diz: “Quando o SENHOR, teu Deus, eliminar de diante de ti as nações, para as quais vais para possuí-las, e as desapossares e habitares na sua terra, guarda-te, não te enlaces com imitá-las, após terem sido destruídas diante de ti;...

Na Nova tradução na Linguagem de Hoje, o texto em destaque é assim traduzido: “Portanto, quando estiverem morando lá, não imitem aquela gente.” Já na Tradução Brasileira temos: “..., guarda-te de ser seduzido para as seguires, depois que forem destruídas de diante de ti.

Infelizmente o que temos visto em nossos dias, sejam em pregações, apresentações, movimentos, etc, nos púlpitos de muitas Igrejas é uma imitação espúria e barata de técnicas de aplicação de “Inteligência Emocional e/ou Programação Neurolinguística” (veja um exemplo aqui). Além disto, em muitas Igrejas tem se infiltrado muitas práticas mundanas ("mundanismo" é o substantivo do adjetivo "mundano" e o dicionário Aurélio o define assim: "Vida mundana; hábito daqueles que só procuram gozos materiais").

Balaque, rei dos moabitas, temendo ao povo de Israel, por tudo aquilo que o SENHOR fizera a favor deles, contratou um “Profeta” nominado “Balaão” para “amaldiçoar” o povo de Israel, porém, o SENHOR mudava a “maldição” em “benção”. Mas, o rei pagão conseguiu seu intento de uma forma diferente. Ele, orientado por Balaão, conseguiu seduzir e levar o povo de Israel a pecar, trazendo sobre eles maldição, pois romperam sua aliança com o Senhor, a quem deixaram de adorar para prestarem culto ao deus dos moabitas. Vejamos em Apocalipse 2:14, a descrição de como Balaão conseguiu conquistar o “prêmio” prometido por “Balaque” (Nm 22:4-7, 15,16; 2 Pedro 2:15).

Apocalipse 2:14 diz: “..., a doutrina de Balaão, o qual ensinava a Balaque a armar ciladas diante dos filhos de Israel para comerem coisas sacrificadas aos ídolos e praticarem a prostituição”. Este versículo está referenciando à Nm 25:1-3; 31:16, pois, Balaão não conseguindo amaldiçoar o Povo de Israel, ensinou a Balaque a “seduzir” o povo através da Idolatria e Imoralidade. Assim ainda é a estratégia do mundo, “quando não pode eliminar o testemunho dos eleitos através de um conflito direto, então tenta neutralizar este testemunho absorvendo os eleitos no mundo” (comentário da Bíblia de Estudo de Genebra para Nm 25:1-3), ou seja, o mundo “arrasta” os cristãos com práticas que não coadunam com os princípios bíblicos cristãos.

Alguns utilizam versículos “isolados” para tentar justificar suas práticas, um muito citado é 1 Coríntios 9:19-23, porém, porque não aplicam o restante do texto, onde Paulo afirma que quem é um “desportista” deve jogar, correr, lutar, etc, dentro das regras de cada disputa, e termina dizendo: 

Eu trato o meu corpo duramente e o obrigo a ser completamente controlado para que, depois de ter chamado outros para entrarem na luta, eu mesmo não venha a ser eliminado dela.” (1 Coríntios 9:27 - NTLH)

Isso me faz lembrar uma passagem muito específica, que deixa claro que fazer o que “parece certo”, mas fora do contexto bíblico, é mesma coisa que fazer “o errado”. O exemplo que quero deixar é o do rei Davi, ao tentar levar a “Arca da Aliança” para Jerusalém, a fim de posteriormente construir o Templo, onde a deixaria. Qual foi o resultado de sua primeira empreitada? Foi tristeza e morte (1 Samuel 6:1-9). E por quê? A resposta é que ele quis fazer o que era certo, mas de forma diferente daquela especificada na Palavra de Deus.

Sobre a “Arca da Aliança” havia recomendações certas de quem e como ela deveria ser transportada. Veja o que diz os textos:

Êxodo 25:12-14 - “Fundirás para ela quatro argolas de ouro e as porás nos quatro cantos da arca: duas argolas num lado dela e duas argolas noutro lado. Farás também varais de madeira de acácia e os cobrirás de ouro; meterás os varais nas argolas aos lados da arca, para se levar por meio deles a arca. Os varais ficarão nas argolas da arca e não se tirarão dela.”

Êxodo 37:4s - “Fez também varais de madeira de acácia e os cobriu de ouro; meteu os varais nas argolas aos lados da arca, para se levar por meio deles a arca.

Deuteronômio 31:9, 25 - “Esta lei, escreveu-a Moisés e a deu aos sacerdotes, filhos de Levi, que levavam a arca da Aliança do SENHOR, e a todos os anciãos de Israel; ...,  deu ordem aos levitas que levavam a arca da Aliança do SENHOR, ”.

     Veja que a Arca da Aliança, na Lei, possuía dispositivo próprio para transporte determinação de quem deveria transportá-la. Contudo, como Davi, homem segundo coração de Deus, quis transportá-la? Vejamos:

       2 Samuel 6:3 - “Puseram a arca de Deus num carro novo e a levaram da casa de Abinadabe, que estava no outeiro; e Uzá e Aiô, filhos de Abinadabe, guiavam o carro novo.

       Onde está o erro? Para entendermos o que ocorreu, temos que ler o texto de 1 Samuel, capítulos 4 ao 7. Não iremos adentrar minuciosamente nos detalhes do relato contido nestes capítulos de onde podemos tirar vários ensinamentos para a Igreja hoje em dia. Vou diretamente ao ponto onde Davi errou, veja:

1 Samuel 6:7s – “ Agora, pois, fazei um carro novo, tomai duas vacas com crias, sobre as quais não se pôs ainda jugo, e atai-as ao carro; seus bezerros, levá-los-eis para casa. Então, tomai a arca do SENHOR, e ponde-a sobre o carro, e metei num cofre, ao seu lado, as figuras de ouro que lhe haveis de entregar como oferta pela culpa; e deixai-a ir.

            Percebeu a semelhança entre 2 Samuel 6:3 e 1 Samuel 6:7-8? Sim, Davi quis fazer o que era preciso e correto, porém copiou um modelo “proposto” pelos filisteus, povo pagão e inimigos de Israel, quando estes depois de castigados, “temendo” ao Deus de Israel, resolveram devolver a “Arca da Aliança”. Davi não procurou na Lei, não procurou um “Profeta de Verdade” para orientá-lo. Davi simplesmente agiu como achou melhor e seguiu um “padrão” mundano. O resultado? Bem, segundo o relato de 2 Samuel 6:6-8, houve irreverência (falta de respeito pelo sagrado), morte, desgosto e temor.

            Outra coisa que me chama a atenção é que em 1 Samuel 6:12 o texto declara que, “visivelmente”, as vacas que conduziam o carro não eram conduzidas por ninguém, porém, não erraram o caminho, não desviaram nem para esquerda nem para a direita.

Após este episódio, Davi temeu ao Senhor e procurou saber como levaria a Arca da Aliança à Jerusalém. A resposta veio depois de três meses, como sinal, a casa onde ela ficara após a tragédia com Uzá, foi abençoada. Como Davi agora fez para transportar a Arca? Veja os textos de 2 Samuel 6:9-15 e seu paralelo em 1Crônicas 15:11-15, agora o padrão que Davi utilizou foi a Palavra de Deus.

Dentro da Palavra de Deus, “os fins não justificam os meios”, citei apenas um exemplo. Alguns cristãos e Igrejas, querendo “ganhar o mundo”, utilizam de métodos e experiências do presente “século” como meio de “ganhar almas”. Será que toda e qualquer forma justifica a conquista de uma alma? Qual era o medo de Paulo? Relembremos: “...,tendo pregado a outros, não venha eu mesmo a ser desqualificado.” (1 Coríntios 9:27), o que faz pensar nas palavras de Jesus:

Mateus 7:21-23 - “Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.  Muitos, naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então, lhes direi explicitamente: nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniqüidade.”

Iniquidade, segundo o grego, neste contexto apresentado pelo próprio Jesus é “anomia", que significa a condição daquele que não cumpre a lei; seja porque não conhece a lei ou porque transgride a lei; é o desprezo e violação da lei. Este termo poderia ser também traduzido por pecado, assim, a última parte do texto destacado poderia ser traduzido da seguinte forma: “Apartai-vos de mim, os que praticais pecado”, onde  pecado "poderia ser definido como a perda de um alvo ou objetivo”; que é “amartia” ou “amarthma”; ou o avanço sobre ou a transgressão de uma linha, que é “parabasiv”; ou a desobediência a uma voz, neste caso seria “parakoh”; ou a queda onde alguém deveria ter permanecido em pé, que é “paraptwma”; podendo também ser a ignorância daquilo que deveria ser conhecido ou “agnohma”; a redução daquilo que deveria ter sido feito em plena medida, que é “htthma”; voltando a não observância de uma lei, que é “anomia” ou “paranomia."

Você não entendeu o último parágrafo? Então vou explicá-lo melhor. Em Mateus 7:21-23 o que Jesus está afirmando é que muitas pessoas estão olhando apenas para o “fim” o “resultado”  e esquecendo que temos um “código de conduta” que é a Palavra de Deus que deve nortear toda nossa prática. Resultado disso? Igrejas “secularizadas”, cristãos carnais e espiritualmente moribundos ou mortos. Assistimos as mais variadas aberrações “gospel”, de picaretagem a charlatanismo, de práticas hedonistas a bruxarias e feitiçarias realizadas em nome de JESUS. E porque tudo isso? Vou deixar como resposta alguns trechos da Palavra de Deus:

- Mateus 22:29 – “Respondeu-lhes Jesus: Errais, não conhecendo as Escrituras nem o poder de Deus.”;

- Marcos 7:8 “Negligenciando o mandamento de Deus, guardais a tradição dos homens.”

- Marcos 13:22 “..., pois surgirão falsos cristos e falsos profetas, operando sinais e prodígios, para enganar, se possível, os próprios eleitos.”

- Romanos 16:18 “..., porque esses tais não servem a Cristo, nosso Senhor, e sim a seu próprio ventre; e, com suaves palavras e lisonjas, enganam o coração dos incautos.

- Efésios 4:14  ..., e levados ao redor por todo vento de doutrina, pela artimanha dos homens, pela astúcia com que induzem ao erro.

- 2 Pedro 2:3 “..., também, movidos por avareza, farão comércio de vós, com palavras fictícias;

- 2 Pedro 2:14  tendo os olhos cheios de adultério e insaciáveis no pecado, engodando almas inconstantes, tendo coração exercitado na avareza, filhos malditos;

Veja alguns exemplos clicando nos links: Exorcismo usando porco; Balada Gospel; Arraiá gospel; Passe de Luz; Coluna Sagrada; Água milagrosa; O trízimo; Inovação no Batismo; Exageros Petencostais; Exagero que leva a piadas, etc.

Assista aos vídeos e discirna-os a luz da Palavra de Deus. E, antes que alguém venha com aqueles “chavões gospel”, do tipo “não julgueis!”, “ai de quem tocar no meu ungido!”, deixo claro que sigo os conselhos de Paulo, dentro da Palavra de Deus, que mandou:

1 Ts 5:21-22 – “..., julgai todas as coisas, retende o que é bom; abstende-vos de toda forma de mal.

E ainda os conselhos contidos em Mateus7:15-20; 1 Coríntios 2:15; 1 João 4:1; Atos 17:11).



Fique na Paz!
Por Anderson Fazzion


0 comentários: